Logo Cabeca Esportes

LUCAS GOULART MARÇAL, PORTUGAL

Natural de Itajubá/MG, começou a jogar na rua e em campos de várzea, mas logo não passou despercebido aos olhos de quem entendia mais profundamente de futebol. Na cidade jogou pelo Smart e pelo Yuracán, mas o seu destino era ir além das fronteiras municipais e até estaduais.  Do Yuracán com 12 anos foi para o INTERNACIONAL de Porto Alegre, onde disputou campeonatos estaduais e até um mundial no México. Jogando pelo Internacional jogou na preliminar da entrega de faixas da Final do Gauchão entre Internacional x Juventude, e foi uma experiência emocionante. Do Internacional foi para o VIRIA da Bahia onde permaneceu por um ano e meio. De lá foi levado para o CORINTHIANS onde jogou por pouco tempo, mas suficiente para ter a chance de jogar e ser Campeão na Final do Torneio Início em Campinas contra a Ponte Preta por 2x1. Após o Corinthians recebeu a oportunidade de jogar na Portuguesa de Desportos, pois no Timão foi planejado pelo empresário somente uma curta passagem. Nesse interim foi convocado para a Seleção Brasileiro Sub-15, mas cortado devido a mudança de vínculo com clubes diferentes.       

Após esta fase se viu sem clube, e foi aí que surgiu uma oportunidade que abriria as portas para a sequência que marcaria sua carreira como jogador profissional, foi contratado pelo Vila Nova de Nova Lima. No Vila pós desentendimento foi para o ATLÉTICO/MG, e nele aconteceu um fato curioso, em um torneio se viu na Final contra o Vila na Toca do Leão, e foi pura polêmica. Clima apaziguado retornou ao Vila, mas não ficou muito e de lá foi por empréstimo ao Valeriodoce, e de lá para o MAMORÉ de Patos de Minas em 2005 para disputar a Copa São Paulo de Futebol Juniores.

Com contrato finalizado retornou ao Vila onde rompeu o contrato e com passe livre resolveu cruzar o Oceano Atlântico, e foi para na "terra da bota" Itália, desembarcando na cidade de Verona, cidade que possui dois clubes profissionais que sempre estão disputando a Série A do Campeonato Italiano. Em Verona defendeu as cores do CHIEVO VERONA, disputando a Primeira Divisão enfrentando nada mais nada menos que Juventus de Turim, Internazionale e Milan de Milão, Lazio e Roma de Roma, Napoli de Nápoles e outras grandes equipes que sempre estão na mídia internacional.

Lucas Campeão por Internacional, Corinthians, Vila Nova e Atlético MG, disputou clássicos de tradição nacional, tais como: Grêmio x Internacional, Cruzeiro x Atlético, Bahia x Vitória, etc.

Do Brasil para a Europa desembarcou na Itália disputando a Primeira Divisão, e de lá zarpou para Portugal na Segunda Divisão defendendo as cores do Maia. Do Maia rumou para o time Moncorvo, um time da Terceira Divisão. E foi no Moncorvo que fez história, com uma equipe simples de uma divisão inferior que ao disputar a Taça de Portugal, onde eliminou várias equipes que disputavam divisões acima.

O último jogo foi as Quartas-de-Final contra o Vitória de Setúbal, que apesar da derrota os jogadores foram aclamados pela torcida que valorizou o time que chegou tão longe em uma competição tão importante que nunca haviam ido tão longe. E para concluir sua caminhada em território lusitano jogou pelo Oliveira do Douro, outro clube da Terceira Divisão. Apesar de serem clubes de menor expressão nacional, mas foram clubes que passou e fez história neles. São histórias que serão lembradas por seus torcedores, pois foram histórias que na maioria das vezes marcou as memórias das cidades onde atuava.

De Portugal partiu a Irlanda e de lá para a Grécia, onde jogou pouco, então, decepcionado retornou ao Brasil, retornou ao Vila Nova de Nova Lima e foi Campeão da Taça Minas Gerais.

Mas sua jornada não pararia no retorno ao Brasil, pois daqui partiu a El Salvador para jogar no Águila, o time da capital, e lá fez história com grandes atuações e conquista do título nacional. No Águila permaneceu por um ano e seis meses, e sofreu uma lesão no joelho, o que exigiu parar por um tempo, após recuperação partiu para a Guatemala para jogar no Petrapa, onde depois de menos de um ano decidiu retornar ao Brasil e encerrar a carreira profissional. A partir daí passou jogar somente a nível amador.