Logo Cabeca Esportes

NELSON FERREIRA E NELSINHO

APRESENTA: NELSON E NELSON
EDIÇÃO ESPECIAL Nº 13/2020

Patos de Minas, década de 70 surgiu o que talvez seja o maior artilheiro da história de nosso futebol, Nelson Ferreira. O futebol nacional já tinha uma seleção Tri-Campeã Mundial, e clubes muito fortes nas disputas dos campeonatos estaduais, nacionais e até internacionais. O Santos já era Bi-Campeão da Libertadores e do Mundo, Cruzeiro Campeão da Libertadores, o Palmeiras era uma Academia, e outros já se preparavam para importantes conquistas na década de 70 e 82. Minas Gerais já tinha Cruzeiro e Atlético com hegemonia de títulos, se revezando no topo do pódio, entre 1.965 e 1.992 só houve um título que não ficou com um deles. Patos de Minas já tinha URT e Mamoré disputando competições regionais e estaduais, ambos já alcançavam relativo sucesso, o Mamoré já havia conquistado a Copa Triângulo em 1962.
Patos de Minas, tanto por um espaço tempo diferente do atual, óbvio, já que o tempo transcorre, e quase tudo sofre mutação, quanto por mudanças culturais, o que também abrande o esporte, apresentava um cenário futebolístico diferente, principalmente nos quesitos campeonatos e times. Se hoje prevalece os times de futebol society e torneios em clubes recreativos, nos anos 1970, 1980 e 1990, prevalecia o futebol original jogado em campo com 11 jogadores, e haviam muitos times segundo o Sr. Nelson, eles criavam uma identidade que os tornava identificáveis onde estivessem, os grupos eram mais homogeneos de uma competição para outra.

Patos de Minas teve times que são memoráveis para desportistas mais velhos que fizeram parte deles ou viram seus pais vestirem suas camisas. Todos ao lembrarem e falarem deixam visível um saudosismo de um tempo que não voltará mais, e cujo futebol dificilmente será novamente praticado em nossos gramados. URT e Mamoré saíram da condição de amadores para se tornarem profissionais, outros foram extintos, outros surgiram, mas todos escreveram seus nomes na história de nosso futebol, todos dignos de terem seus feitos registrados para a posteridade.

Em 1970, Nelson com 11 anos de idade morando no bairro do Cristo, sempre saía em busca de "peladas" de rua ou assistir jogos dos vários times da cidade que atuavam também em vários campos espalhados pelos bairros. O mais próximo de casa, para ser mais preciso, do outro lado da rua era o
Botafogo, e foi lá que ainda adolescente começou a fazer parte de um time propriamente dito, com uniforme, com campo próprio e competindo com outras equipes. O campo ficava onde hoje está a Casemg. Não demorou e então com 15 anos foi para o Auto Esporte, e segundo ele, era um time forte, que contava com os irmãos Caiaba e Ari, que eram as referências na equipe. Ainda nesta fase de adolescência foi jogar no
Copa 70, outro time popular na época, que teve inclusive o jogador João Cândido "Capeta" entre seus atletas. Neste período também passou por outras equipes, inclusive o popular Tupi Esporte Clube, que é sempre citado como um grande time que figurou entre os mais fortes da cidade, cujo campo ficava
onde hoje está instalada a Cemig.
O
Copa 70 jogava com uniforme verde a Palmeiras, que por sinal fazia muito sucesso na época, pois havia vencido os campeonatos nacionais de 1960, 1967 duas vezes, 1969, Vice em 1970 e Bi-Campeão em 1972 e 1973, além de dois Vice da Copa Libertadores da América em 1961 e 1968. O Copa 70 contava também com o volante Amilton que é pai do jogador Jaime, que joga atualmente nos clubes PTC e Vila Olímpica da URT, sendo um dos princi-pais jogadores que já vestiram a camisa do time da Artemis. A foto (em verde) foi em um jogo do Copa 70 na cidade Uberlândia contra o time de mesmo
nome,
Uberlândia EC.
Auto Esporte, Copa 70, Tupi, Antarctica, Columbia EC, Real Lagoa, Paranaíba, Olaria, Vila EC, Rosarense, São Vicente etc., foram times que surgiram, uns mais cedo, outros mais tarde, variando entre 1.960 e 1.980, mas todos com histórico de grande representatividade do futebol patense no âmbito local e regional. Patos de Minas não é terra só de milho, mas também de muito futebol arte.
O
Copa 70 também usava um uniforme de cor amarelo nas camisas, verde nos calções e branco nos meiões, realmente era uma grande homenagem a Seleção Brasileira Tri-Campeão Mundial, e pela foto ao lado vê-se que até os cortes de cabelos se assemelhavam. No Copa 70 jogou com o irmão Neuber, que era goleiro.
Após este período foi jogar em um time que considera um dos melhores que atuou, até então foi o time que mais se identificou e gostou de jogar, fazendo parte de seus favoritos, o time era liderado por Zé Mineli e Romero, e jogavam com muita técnica e organização em campo, o jogo fluía, era bem dirigido, e muito competitivo, o nome era Ros
arense. O Rosarense trajava uniforme inspirando no Grêmio de Porto Alegre, o tricolor gaúcho, e entre o ano 1979 e 1980 a equipe foi Campeão de uma competição de nível regional, vencendo a equipe da cidade de Lagamar por 1x0 na Final com gol de Nelson, em uma cabeçada. Nelson foi artilheiro do campeoanto com 60 gols. Jogava de ponta-esquerda, o futebol era de campão, e era muito tradicional  esta posição em campo, era um futebol de ponta-direita e ponta-esquerda. 

URT E MAMORÉ
Em
1982, Nelson foijogar na URT, o clube já era destaque na região do Triângulo Mineiro, as competições variavam entre amador e profissional. A URT  foi Campeão Regional da LPD nos anos 1980, 1982 e 1983. Após a URT foi jogar no MAMORÉ e atuou entre 1984 a 1986. Em 1985 foi Campeão
Regional da LPD, vencendo na Final o Paranaíba EC de Carmo do Paranaíba, a decisão foi em três jogos, devido ao repetido empate de 2x2 em seus respectivos mandos de campo, o terceiro jogo foi no estádio Zama Maciel e o resultado foi 1x0 com gol marcado pelo jogador Macarrão. A partir daí também jogou no Bela Vista EC de Carmo do Paranaíba, no Santa Cruz de Lagoa Formosa, para o Lenhosos na disputa da primeira edição do Campeonato Rural que tinha o nome de Peladão.
Mas algo curioso aconteceu quando jogava para a Uberpatos, pois sempre jogou de ponta-esquerda ou centroavante,
e em um jogo o volante foi expulso e não havia outro para a função, e precisava para terminar a partida e jogar a
próxima, pois o mesmo teria que cumprir suspensão. Então, o treinador chamou Nelson e imcubiu de fazer a cabeça
da área, e a atuação foi tão boa que a partir daí atuou várias vezes nesta função, inclusive quando jogou para outro
time bastante popular na cidade, a Antarctica. No Antarctica jogou com Regis Santiago, jogador que também jo-
gou na URT, foram várias competições que Nelson defendeu a camisa do time, que foi uns dos maiores adversários
do COLUMBIA EC. A foto abaixo é de outro time que fez bastante sucesso nos anos 1.960, 1.970 e 1.980,
o São Vicente, time Campeão Regional da LPD nos anos 1.965, 1.966, 1.967, 1.968 e 1.972.DÉCADA DE 1.990Na década de 1990
jogou pelo time do
Ponto Chique e
foram várias com-
petições disputadas, 
sendo que, na maio-
ria conseguiu che-
gar a Final, mas o
curioso é que em
todas foi Vice-
Campeão.
No time também
jogava os goleiros
Pantera e Neuber,
seu irmão. O time
representava a
localidade de mesmo nome. Outra equipe que também defendeu em competições foi o 1º de Abril.
Outra equipe que defendeudurante a década foi o tra-
dicional PARANAIBA EC.
Este que é um dos maiores
campeões do Alto Paranaiba.
A foto abaixo é do time do
Três Barras, que disputava o
Campeonato Municipal de
Presidente Olegário, em uma
das edições foi Campeão
Invicto. Outro grande jogador
patense fazia parte do time,
Waldson Silva, o Bacatão.
Em todas as equipes Nelson
se destacava pela qualidade técnica, velocidade e comprometimento com o time, além de fazer gols, e foram muitos.NELSON FERREIRA E COLUMBIA ECCLÊNIO - Senhor Nelson, fala sobre o Columbia.
NELSON - Todo mundo queria jogar no Columbia,
até hoje se chamar o pessoal vai.
Nelson foi capitão do time da ANTARCTICA e do
COLUMBIA EC, uma façanha dificil de alcançar, 
pois eram rivais, talvez o maior clássico dos anos 
1.980 e 1.990. Sinal que não era só um ponta-esquerda
ou um artilheiro, mas um líder em campo, com a res-
ponsabilidade de liderar a equipe rumo às vitórias e 
conquistas, e olha que foram muitas.
Nelson Ferreira estreou no COLUMBIA EC em 
14/10/1.990,  e ficou até o último jogo da equipe em
21/12/2.013, ou seja, foram 24 anos de história de um
bom futebol e companheirismo que tornou o time um dos
ícones da cidade. Foram vários campeonatos, então segue
alguns dos disputados e suas respectivas campanhas.
1.990 - Campeão da 7ª Supercopa dos Bairros
Foram 6V 3E 0D, e como capitão ergueu o troféu.
1.991 - Vice-Campeão do 9º Torneio Primavera
1.993 - Campeão do 11º Torneio Primavera
1.993 - Vice-Campeão do 1º Octogonal da Amizade
1.993 - Vice-Campeão da 3ª Copa Super RadiopatosNELSON FERREIRA E COLUMBIA EC
1.995 - Semifinalista da 1ª Copa de Futebol Master Topper Ducks
1.996 - Campeão da 6ª Copa Super Radiopatos1.996 - Semifinalista da 2ª Copa de Futebol Master Topper Ducks1.996 - Semifinalista da 13ª Supercopa dos Bairros
1.996 - Oitavas-de-Final da 4ª Copa de Futebol Master Topper Ducks
1.999 - Campeão do 1º Torneio de Futebol Senior de Mata-Burros (Comunidade)
Após 1.999 foram somente jogos amistosos, o futebol patense começou a migração para o futebol society,
e os campeonatos de campão foram diminuindo até praticamente entrarem em extinção na atualidade.
Nelson jogou 111 jogos e marcou 22 gols pelo COLUMBIA EC. Foi 04 vezes Campeão e 03 vezes Vice.
Nelson jogava e levava junto o filho Nelsinho, nas fotos é possível identificá-lo ainda criança. No time ainda
jogava seus irmãos Neuber e City, e nas fotos presente o sobrinho Thiago. Era um time que caminhava para
o fim de suas atividades, mas que inspirava outra geração a se dedicar ao esporte dos esportes, o futebol.
Nota: Fotos e informações do COLUMBIA EC fornecidas pelo ex-goleiro Pantera.NELSON E NELSINHO
Pai e filho em um mesmo gramado, um jogando, titular no time, o outro, brincando antes e durante o intervalo
dos jogos, mas eram os primeiros passos para no futuro também deixar sua marca no futebol de nossa cidade.Nelson jogou por muito tempo ao lado
dos irmãos Neuber, que mais atuava no
gol, e City que é meia, considerado um
dos melhores na posição por duas déca-
das. Nelson foi Campeão e artilheiro no
clube Vila Olímpica, e também várias
vezes Campeão e artilheiro no PTC.
Nelson jogou na primeira edição do 
torneio rural chamado "Peladão", e 
defendeu o time de Lenhosos. 
No Campeonato do Carlão foi Campeão
pelo time Rodas Peças, as competições
eram de futebol society, mas foram as
melhores da cidade por muito tempo.
Nesse período Nelsinho acompanhava o painos jogos também se imaginando fazendo
parte de um time, disputando campeonatos,
sendo Campeão. A convivência com o pai
e tios nos gramados era uma inspiração para
um garoto que também nasceu cheio de
talento. Com 9 anos foi jogar na Escolinha
do Lindomar e não demorou em uma Final
contra o PTC, Nelsinho se destacou no
jogo, e chamou a atenção do teinador Rubão
que o levou para o clube. Lá foram vários
torneios disputados e também Campeão.
O PTC era uma potência em categorias de
base. Jogar no COLUMBIA e seguir os passos do pai se tornava a cada dia mais difícil, o time realmente estava
determinado a encerrar as atividades, a equipe original envelheceu e mesmo com novos jogadores ingressando,a vontade de continuar não aumentava, o presidente fundador do time,
Pantera, cansou da labuta de jogos e campeonatos.
Com 15 anos e já uma caminhada de 05 anos de conquistas pelo
clube PTC, Nelsinho foi para o Clube Atlético Olaria, que também
era uma potência na formação de jogadores. O CA Olaria também
possuía time amador disputando competições na cidade e região,
foi Campeão Regional da LPD por mais de uma vez. 
No Olaria, Nelsinho também foi Campeão, sempre conseguindo
fazer boas atuações, o que lhe rendeu quando já com 17 anos o
convite a jogar no Sub-17 da URT, mas nesta idade também já
começou o desejo de trabalhar, e diante das incertezas que há em 
dedicar ao sonho em ser jogador profissional, optou por ingressar
no mercado de trabalho dispensando o convite de um dos maiores
clube de Patos de Minas e Minas Gerais. Mas nem por isso abaixou
a cabeça, continuou fazendo o que gosta, continuou fazendo bom
uso do talento que nasceu, jogar bola, jogar com classe, jogar com
alegria, jogar com a determinação de vencer jogos e campeonatos.
NELSINHO E AS VÁRIAS COMPETIÇÕES
Nelsinho no pós escolinha começou assim como o pai já havia feito no pas-sado, a disputar várias competições e por várias equipes, a vontade de jogar
é algo nato, é como um instinto, a maioria mesmo que chegue aos 100 anos
de idade ainda assim sente o desejo de estar em campo, de sentir o cheiro
de grama, dominar a bola, chegar ao fim do jogo com o sentimento de dever
cumprido, com satisfação de saber que o melhor foi dado, a vitória ou a
derrota se torna somente um detalhe, futebol é uma paixão que vai além
dos resultados, vai além dos aplausos, além das medalhas e troféus, é algo
que impregna nossa essência e nos torna dignos do talento recebido.
O PTC foi um dos primeiros lugares em que competiu, os torneios ainda
não eram tão grandes em quantidade de times quanto é hoje, mas os que
eram realizados já eram bastante competitivos, e não demorou veio as
primeiras conquistas, tanto sendo Campeão, quanto sendo eleito o melhor
jogador da competição. Ser Campeão no PTC historicamente tem se
tornado uma grande conquista devido ao nível dos torneios. É um clube
referência na cidade. O capitão e goleiro Eugênio ao ser perguntado sobre
o jogador Nelsinho, pois o conhece desde quando jogava com seu pai no
COLUMBIA EC, deu a seguinte resposta: "Como jogador, para mim umcraque, tanto como cabeça de área, como zagueiro.
Sabe sair jogando, bom passe e criação de jogadas,
difícil de ser batido no mano a mano, liderança,tran-
quilidade nos momentos difíceis e sabe apoiar,e até
finaliza com bom índice de acerto. Jogador de grupo.
Outra competição que disputou e foi Campeão foi o
Campeonato do Carlão, competição já por mais de 
duas décadas considerada uma das melhores da cidade,.
Os campeonatos do Carlão são de futebol society, e 
já houve grandes equipes que disputaram e fizeram 
história pela qualidade da equipe ou pelos troféus de
Campeão. Amaral, Cristo, Repmotos, Box 1, Rações
Patense, etc. são exemplos de times memoráveis.
Nelsinho foi Campeão junto de um grupo de jogadores que na maioria se identificavam com o clube da Copasa.
Daniel, Jaime, Juninho, Leandro, Bodão, Robgol, Altamir, são jogadores bastante populares no futebol patense.NELSINHO E AS VÁRIAS COMPETIÇÕES E TIMES
O clube Paraíso Camping Club já foi bastantemovimentado, com vários torneios realizados
e muitos Campeões que guardam seus troféus
como lembrança de um lugar que incrivelmen-
te quase caiu no esquecimento. Mas Nelsinho
fez parte de um dos campeões do Paraíso, e foi
ao lado pai, do primo Julinho e outros jogado-
res bastante populares no clubes da cidade,
Batuta, Miltin, Caçarola e Dudú são alguns. O
jogador Jaime que foi Campeão com Nelsinho
no Campeonato do Carlão ao ser solicitado
para definí-lo disse o seguinte: "De volante é
um jogador bem completo, marcação boa, bom passe, organiza bem a saída bola, bate bem no gol, é uma pessoa
boa de jogar junto, sabe escutar ... de grupo". Nelsinho Campeão nas escolinhas, Campeão no Car-lão, Campeão no Camping, Campeão no PTC, mas
também Campeão na Vila Olímpica. É um jogador 
com bom histórico na vila mais famosa, lá foi Cam-
peão com o time do Tem Tudo Celular, ao lado de 
Dudú que juntos foram campeões no Camping. O Tem
Tudo Celular que agora chama Sintonia Celulares, é
um dos maiores Campeões da Categoria Livre na Vila, 
time identificado por jogar com muita raça. 
O jogador Francisco companheiro várias vezes em ti-
mes no PTC define Nelsinho como: "Xerife, é a pala-
vra ideal, o time joga no ritmo que ele dá ao jogo, se
ele quer acelerar o jogo o time toda acelera, se ele quer cadenciar, a galera toda cadencia, é parceiro, bom
de bola, joga para o time, marca forte, difícil de passar, tem uma boa saída de bola, ... gosta de jogar".
Rodoban, time da empresa que trabalha, jáfoi Campeão e Artilheiro no Campeonato
do Sest/Senat, jogando ao lado do pai, o Sr.
Nelson. O time é formado por funcionários 
e agora com a mudança do nome da empresa 
para Brinks, mesmo assim continua compe-
tindo em torneios empresariais, principal-
mente no Greca da Pássaro Branco, onde já
foi Campeão e Vice. Os torneios do Greca
são uns dos poucos ainda realizados na cida-
de com organização que permite somente
funcionarios de uma mesma empresa e seus dependentes familiares. A Brinks herdeira da Rodoban sempre faz
boas apresentações e campanhas, e tem em Nelsinho seu líder fora e dentro de campo. Davi, que é companheiro detrabalho e de time da Rodoban junto com Nelsinho, quando solicitado
que o definisse como jogador, disse o seguinte: "Joguei a favor e 
contra, é um jogador que joga bem, marca bem, ... distribui bem 
as jogadas, tem raça, dou a ele nota 9,5".
Assim como o pai, Sr. Nelson, é um dos mais conceituados jogadores
veteranos da cidade, Nelsinho tem construído sua história em nosso
futebol amador, para quem sabe um dia também ser lembrado como
um dos nossos mais importantes jogadores amadores.